Abordagem sistêmica sobre ADOÇÃO


Falar sobre adoção é um desafio, principalmente quando se observa sob a ótica sistêmica.

Conscientemente, as pessoas buscam acolher crianças através da adoção como um ato de generosidade. Porém, Bert Helinger pontua que pode haver uma outra motivação, inconsciente.

A motivação das pessoas que procuram adoção pode ser uma vontade de compensar algo: seja porque não se pôde ter filhos, seja porque não se consegue suportar ver o abandono que estas crianças sofreram causando tanta dor.

Quando os pais adotivos têm boas intenções e consideram o interesse da criança no processo, possivelmente essa adoção terá sucesso. Entretanto, se os pais adotivos considerarem seus interesses acima dos interesses da criança, e depositarem nela, a responsabilidade de suprir uma frustração, pode ser que esse processo de adoção não seja tão bem-sucedido.


Segundo Hellinger, para que uma adoção dê certo, é necessário se respeitar as 3 leis do amor.

Isto significa que os pais biológicos sempre serão os verdadeiros pais das crianças e a herança familiar desta criança será representada através deste vínculo permanente e indissolúvel que garante à criança adotada seu direito ao pertencimento à esta família de origem.

Se você decide adotar uma criança, é importante que você olhe para os pais biológicos desta criança primeiro com respeito ao destino deles, depois com gratidão, pois a dificuldade deles no exercício do papel de pais e mães como cuidadores foi o que possibilitou que esta vida que hoje você cuida e ama, viesse e você pudesse viver esta experiência.


Além do item citado acima, uma adoção bem-sucedida, necessita que os pais adotivos reconheçam:

 O respeito aos pais biológicos da criança e de seu destino;

 Reconheça que você cuida da criança deles para eles;

 Ensine a criança a respeitar sua história;

 Agradeça aos pais biológicos desta criança a oportunidade de cuidar desta vida até o momento que ela necessitar.

Posts recentes

Ver tudo

Direito sistêmico e o direito de família

Para SAMI STORCH, Juiz de Direito no Tribunal de Justiça da Bahia, precursor do direito sistêmico, os conflitos entre grupos, pessoas ou internamente em cada indivíduo são provocados, em geral, por ca